11 de jun de 2008

Os Alicerces da economia “divina “


Poucas pessoas deixarão de reconhecer que o Espírito insuflado no mundo por Bahá'u'lláh, Espírito esse que está se manifestando em graus variados de intensidade, mediante os esforços conscientes de Seus declarados apoiadores e, indiretamente, através de certas organizações humanitárias, jamais poderá penetrar no gênero humano e exercer uma influência duradoura, a não ser que, e até que, encarne em uma visível Ordem portadora de Seu nome, integralmente identificada com Seus princípios e funcionando de conformidade com Suas leis...” ( do livro: A Ordem Mundial de Baha’u’llah)

O imposto Global




Durante a sua viajem missionária nos EUA, o mestre da globalização Abdu’l'Bahá também proferiu palestras sobre o futuro ajuste da economia mundial:

“Bahá'u'lláh deixou princípios de orientação e ensinamentos para o reajustamento da economia” (9 DE JUNHO DE 1912 Palestra de Abdu’l no Templo Batista Esquina das Ruas Broad e Berks, Filadélfia, PensilvâniaSexto)

Não demorou muito para que o universo se movimentasse segundo as leis de Baha’u’llah. Em 1972 foi criada a taxa Tobim:

A Taxa TOBIM é um imposto único que varia entre 0,1 e 0,5% sobre todas as transações cambiais e possui os seguintes objetivos:

1) Reduzir os movimentos especulativos, normalmente de curto prazo. A menor volatilidade do mercado monetário resultante da aplicação da taxa teria como consequência a recuperação da capacidade de proteção das moedas ao nível nacional, face à desvalorização e crises financeiras.

2) Ela permite, não só garantir um ambiente mais estável para um desenvolvimento sustentável, como também os recursos necessários para iniciar o combate às desigualdades que caracterizam os vários países.

3) A taxa Tobin é por alguns apresentada como um instrumento que poderia resolver não só os problemas que a volatilidade dos mercados financeiros geram nos países, mas também o problema do crescente abismo entre ricos e pobres

As dificuldades, a criação do consenso, o uso de feitiçaria para estabelecer a nova ordem e a sua reprovação.

A maior dificuldade de implantar a referida taxa está na criação de um consenso satisfatório entre os países e líderes religiosos. Para esse fim a ONU está treinando através do processo de consulta os governantes nos mais diversos fóruns globais, dessa forma eles pretendem despertar o espírito de unicidade e amor global nos governantes. Sobre isso o próprio Abdu’l afirma em outra palestra:

Os corações devem estar tão unidos, o amor deve se tornar tão predominante a ponto de os ricos espontaneamente oferecerem auxílio aos pobres e tomarem a iniciativa de estabelecer estes ajustes econômicos permanentemente ( 23 DE JULHO DE 1912 Palestra de Abdu’l’Bahá no Hotel Victoria Boston, Massachusetts)


Essa união global proposta por Abdu’l não tem nada haver com a implantação do comunismo no mundo como pensa o filósofo Olavo de Carvalho. Essa estratégia alarmista do comunismo tem apenas a função de fazer com que simpatizantes e políticos de direita (de certa forma cristãos) façam parte da grande Assembléia mundial, pois o governo mundial não é de esquerda e muito menos de direita e sim cooperativo e de origem espiritual.


E finalmente com os corações clamando por uma solução e todos unidos em nome do bem comum Baha’u’llah poderá ser retirado do abismo, através do uso de feitiçaria, e seduzir todos os habitantes da terra.


A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá. (Apocalipse 17 : 8)

Assim como na agricultura, política, meio ambiente, técnologia e em outras áreas sociais o estandarte da economia divina descrita em Apocalipse 13:17 terá início e supostamente resolverá os problemas da humanidade com a implantação do sinal de “deus” de forma permanente.

E por fim..Baha’u’lláh propõe como solução para a humanidade justamente aquilo que DEUS condena:

Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. (I Timóteo 6 : 10)



Referência:
http://www.janusonline.pt/2003/2003_1_3_11.html