30 de jun de 2008

O maravilhoso mundo das ONGS



A origem das ONGS está descrita no artigo K-181 do kitab-iaqdas (o livrinho da nova ordem mundial):

181. O equilíbrio do mundo foi abalado através da influência vibrante desta nova e suprema Ordem Mundial. A vida regulada do gênero humano foi revolucionada por este Sistema único, maravilhoso

O complemento dessa lei está escrito nas mais diversas epístolas de Baha’u’llah onde ele ordena que a sociedade se organize em grupos para participar da Nova ordem. Com toda essa bagagem em mãos Abd’u’l baha (filho de Baha’u’llah) partiu para a América em 1912 com o objetivo de “abençoar” a futura criação da ONU e instruir os novos Baha’is sobre como deveriam orientar os governantes da terra. Dessa forma em 1948 a fé se transformou na primeira ONG através do ECOSOC (Conselho econômico e social) a exercer caráter consultivo que são amplamente aceitos e obedecidos por todas as agências da ONU.

Essas organizações não possuem parte alguma com o DEUS verdadeiro, por isso a cada tentativa de solucionar os problemas da humanidade, inspirados nos ensinamentos do Kitáb’i’aqdas ( a carta magna da nova ordem mundial), surgem novos problemas que nunca serão solucionados. Além de despertar toda o tipo de cobiça e avareza.

Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. (I Timóteo 6 : 10)


Com o tempo, as ONG’s transformaram-se num grande e lucrativo negócio. A legião de pobres e miseráveis produzida por duas décadas de neoliberalismo na América Latina conferiu às ONG’s um inesgotável “público alvo”, ou seja, uma desculpa para existir. Ao atuar oferecendo serviços públicos e recebendo dinheiro do Estado, essas entidades são cúmplices dos governos no processo de terceirização dos serviços públicos. Isso ocorre de forma dramática em órgãos federais como o Ibama e a Funasa. Além de promoverem a substituição de servidores públicos contratados por “voluntários”, as ONG’s freqüentemente superfaturam custos de programas sociais para desviar verbas públicas. Isso porque, não sendo caracterizadas como empresas lucrativas, as ONG’s encontram caminho livre e desburocratizado para buscar financiamento estatal, criando um verdadeiro mercado da miséria. Tal filão já chamou a atenção dos bancos.


A Fundação Itaú Social promove, neste momento, um curso para “Gestores de ONG’s sobre avaliação econômica de Projetos”. Como afirma o vice-presidente do Itaú, Antonio Matias, “a avaliação pode ser aplicada a qualquer programa, em qualquer área, de educação e saúde até ao combate ao trabalho infantil e à criminalidade”. Desta forma, pode-se avaliar o setor mais lucrativo para se investir e garantir um retorno favorável.


A Fundação Getúlio Vargas também disponibiliza um curso para “capacitação” de ONG’s.O jornalista e escritor Julio Ludemir morou três anos na favela da Rocinha para escrever seu livro “Sorria, Você Está na Rocinha”. Em entrevista à Folha de S. Paulo, o jornalista explica de que forma se dá a atuação do Terceiro Setor na favela, geralmente aliada ao tráfico de drogas. “Essas pessoas (ONG’s) têm muito mais interesse na preservação do seu projeto do que na sua eficácia. E querem a guerra. Não há nada melhor para esses projetos sociais do que a guerra [disputa entre traficantes]”. Se o Terceiro Setor beneficia principalmente os governos neoliberais, as multinacionais também não ficam atrás. No Brasil, um portal na Internet aglutina e divulga ações de voluntariado. Sustentado por empresas como rede Globo, IBM, BankBoston e Itaú, esse portal “desenvolve ferramentas de gestão de voluntariado” para essas corporações.


Os objetivos do portal são explicitados na mensagem que é divulgada ao candidato a voluntário que o acessa. “Ao nos preocuparmos com a sorte dos outros, ao nos mobilizarmos por causas de interesse social e comunitário, estabelecemos laços de solidariedade e confiança mútua que nos protegem a todos em tempos de crise, que tornam a sociedade mais unida e fazem de cada um de nós um ser humano melhor.”Por essa lógica, as desigualdades sociais não são fruto da exploração de uma classe sobre a outra, mas sim fruto da falta de “sorte dos outros”.


Percebe-se, então, a razão que faz com que multinacionais invistam no Terceiro Setor.Talvez um dos aspectos mais perversos dessa história seja a cooptação de ativistas honestos para esse projeto. Assim governos e multinacionais utilizam-se da genuína vontade de mudar a realidade para cooptar, sobretudo, os mais jovens. Não por acaso esse foi o principal público-alvo da campanha “Ano Internacional do Voluntariado”, em 2001.


O aumento do número de ONG’s é proporcional ao aumento da miséria e pobreza na América Latina. Como afirma Petras, as ONG’s não passam do “rosto comunitário do neoliberalismo”.