4 de set de 2008

A verdade sobre as metas do milênio – parte II

Meta número 8 - Todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento.

Para alcançar a meta número 8 (parte I ) serão necessários dois passos que são:

1) Congregar toda a humanidade em uma assembléia mundial (Habacuque 2:5).
Essa etapa já está em andamento nos dias atuais. As cruzadas “evangelísticas” ,como a de Bily Graham, tem como objetivo mobilizar a sociedade para participar desse evento global.

2) E futuramente batizar a humanidade com o falso “espírito santo.”
Esses dois ítens são fundamentais para que a ONU possa avançar para o parágrafo 12 da meta número 8 descrito abaixo:

12 Avançar no desenvolvimento de um sistema comercial e financeiro aberto, baseado em regras, previsível e não discriminatório.

Esse avanço não significa que as metas abaixo serão concluídas, na verdade nunca serão, por todos os países:

1- Acabar com a fome e a miséria
2. Educação básica e de qualidade para todos
3. Igualdade entre sexos e valorização da mulher;
4. Reduzir a mortalidade infantil; 5. Melhorar a saúde das gestantes; 6. Combater a aids, a malária e outras doenças; 7. Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente
8 - Todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento

Se isso acontecesse o principio básico de globalização (que é o ciclo eterno de problemas, soluções e problemas) seria ferido.

A única solução para o parágrafo 12 da meta número 8 é a implantação da economia divina de Baha’u’llah em escala mundial. Somente assim os outros parágrafos poderão ter alguma espécie de continuidade:

13 Atender as necessidades especiais dos países menos desenvolvidos Inclui: um regime isento de direitos e não sujeito a quotas para as exportações dos países menos desenvolvidos; um programa reforçado de redução da dívida dos países pobres muito endividados (PPME) e anulação da dívida bilateral oficial; e uma ajuda pública para o desenvolvimento mais generosa aos países empenhados na luta contra a pobreza.

14 Atender às necessidades especiais dos países sem acesso ao mar e dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento (mediante o Programa de Ação para o Desenvolvimento Sustentável dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento e as conclusões da vigésima segunda sessão extraordinária da Assembléia Geral).

15 Tratar globalmente o problema da dívida dos países em desenvolvimento, mediante medidas nacionais e internacionais de modo a tornar a sua dívida sustentável a longo prazo.

16 Em cooperação com os países em desenvolvimento, formular e executar estratégias que permitam que os jovens obtenham um trabalho digno e produtivo.

17 Em cooperação com as empresas farmacêuticas, proporcionar o acesso a medicamentos essenciais a preços acessíveis, nos países em vias de desenvolvimento.

18 Em cooperação com o setor privado, tornar acessíveis os benefícios das novas tecnologias, em especial das tecnologias de informação e de comunicações.

Obs.: A comunidade baha’i já “profetizou” a chegada de um aparelho de comunicação integrado:

“É evidente que as décadas de um futuro próximo verão a integração das tecnologias da informática, telefonia e televisão num único sistema unificado de comunicação e informação, cujos aparelhos estarão disponíveis em larga escala e a baixo custo.”

E por fim...compete ao Papa (seja quem ele for) seduzir e enganar a humanidade dizendo que os sinais realizados pela besta de dois chifres, que é a retirada de Baha’u’llah do abismo juntamente com seus outros sinais, são verdadeiros. Dessa forma as pessoas poderão escolher um dos símbolos abaixo como moeda global. Os símbolos são as estrelas de nove pontas usada pela maçonaria (anticristo), a Rainha dos céus e por Baha’u’llah descrito em seu Kitáb-i-aqdas:

29. Dize: Este é aquele conhecimento oculto que jamais há de mudar, pois inicia-se com o nove, o símbolo que representa o Nome oculto e manifesto, inviolável e inacessivelmente excelso.



E finalmente os cabalistas poderão completar o “nome oculto” ( ou nome da meta número 9) da tabela cabalística.

E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; (II Tessalonicenses 2 : 11)


Referência:
http://www.pnud.org.br/odm/objetivo_8/