30 de abr de 2008

O desarmamento de civis pela ONU

A origem do desarmamento está no artigo K-159 das leis do kitáb-i-aqdas de Baha’u’llah:

159. Proibiu-se-vos o porte de armas, salvo se essencial, e permitiu-se que vestísseis seda. ... Ele, veramente, é o Ordenador, o Onisciente...

Observe que essa lei diz “salvo se essencial” nesse caso o desarmamento é somente para os civis com a promessa de uma falsa paz; mas veja o que a Bíblia diz sobre isso:
Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos. (Apocalipse 13 : 10)
Atrás do desarmamento sempre teve um genocídio covarde em massa e dessa vez não será diferente:

Fatos da História para quem esqueceu, ou nunca soube:

Em 1929, a União Soviética desarmou a população ordeira. De 1929 a 1953, cerca de 20 milhões de dissidentes, impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

Em 1911, a Turquia desarmou a população ordeira. De 1915 a 1917, um milhão e meio de armênios, impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

Em 1938, a Alemanha desarmou a população ordeira. De 1939 a 1945, 13 milhões de judeus e outros "não arianos", impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

Em 1935, a China desarmou a população ordeira. De 1948 a 1952, 20 milhões de dissidentes políticos, impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

Em 1964, a Guatemala desarmou a população ordeira. De 1964 a 1981, 100.000 índios maias, impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

Em 1970, Uganda desarmou a população ordeira. De 1971 a 1979, 300.000 cristãos, impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

Em 1956, o Camboja desarmou a população ordeira. De 1975 a 1977, um milhão de pessoas "instruídas", impossibilitados de se defenderem, foram caçados e exterminados.

ONU analisa relatório sobre armas leves
30/04/08
Brasil participa de discussão no Conselho de Segurança e diz que armas agravam conflitos e terrorismo internacional.
Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York.
O Conselho de Segurança das Nações Unidas debateu nesta quarta-feira um relatório sobre armas leves. O documento elaborado pelo Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, sugere que a grande maioria das mortes ocorridas em conflitos é causada pelo uso de armas deste porte. Terrorismo Internacional Um dos participantes do debate foi o vice-representante do Brasil na ONU, embaixador Piragibe Tarragô.
Segundo ele, o abuso de armas leves e de pequeno porte é uma grande ameaça à segurança dos países. Tarragô afirmou que os armamentos agravam conflitos e alimentam o terrorismo internacional.
O alto representante das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento, embaixador Sérgio Duarte, falou à Rádio ONU, antes do debate, sobre a proposta do relatório. Plano de Ação No documento, Ban Ki-moon afirmou ainda que as armas pequenas facilitam a prática de violações dos direitos humanos.
Em 2001, a ONU anunciou um Programa de Ação com medidas de monitoramento pelos países. A iniciativa faz parte da Conferência sobre Comércio Ilegal de Armas Leves e Pequenas, realizada no mesmo ano. O relatório sugere que o programa seja revitalizado.

http://radio.un.org/por/detail/6005.html http://www.geocities.com/desarmamentodequem/