23 de jun de 2008

A influência Bahá’i na política Brasileira

E EU pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia. (Apocalipse 13 : 1)

O deus da onu (Baha’u’llah) é muito conhecido entre os deputados em Brasília, mas bem desconhecido dos brasileiros. O nome de blasfêmia não está escrito apenas nas cabeças da besta descrita acima, mas em todos os deputados independente de partido ou religião. O congresso nacional segue as leis do Kitáb-iaqdas e não a Bíblia:

K-81. Ó reis da terra! A Lei Suprema foi revelada neste Lugar, neste cenário de transcendente esplendor. Cada coisa oculta veio à luz, graças à Vontade do Ordenador Supremo, Aquele que fez soar a Hora Final, por Quem se partiu a lua e se expôs todo decreto irrevogável.
Senadores, Deputados Federais, Autoridades Federais do Executivo e do Judiciário, Representantes de Organizações Não-Governamentais e mais de uma centena de bahá’ís ocupam o plenário do Congresso Nacional. Pontualmente às 15 horas, todos se postam em pé e ansiosos dirigem o olhar para a entrada principal do plenário de onde surge Amatu’l-Bahá Ruhíyyih Khanum... Os corações estão acelerados, as lágrimas contagiam de terna emoção aquele recinto solene. Estamos testemunhando o início de um eloquente tributo de amor e respeito pelos ensinamentos de Bahá’u’lláh,

Deputados representando 14 partidos políticos se revesam na tribuna enaltecendo os esforços e a vida de Ruhíyyih Khanum dedicada à promoção da unidade entre os povos do mundo

O painel registra a presença de noventa deputados federais no plenário. São eles, em ordem alfabética: Adauto Ferreira, Adilson Motta, Adroaldo Strock, Albérico Cordeiro, Alberto Cordeiro, Alberto Goldman, Alcides Modesto - (Quem fez a oração de unidade), Alzira Ewerton, Ana Júlia, Aníbal Gomes, Antônio Feijão*, Antonio Sérgio Carneiro, Arnaldo Faria Sá, Arnaldo Madeira, Arthur Virgílio, Augustim Freitas, Ayrton Xerxes, Benedito Guimarães, Carlos Airton, Carlos Camurça, Ceci Cunha, Célia Mendes, Costa Ferreira, De Valasco, Domingos Leonelli, Eduardo Jorge, Emanuel Fernandes, Enio Bacci, Euripedes Miranda, Fernando Diniz, Fetter Junior, Flávio Arns, Franco Montoro, Gedel Vieira Lima, Genésio Bernardino, Henrique E. Alves, Herculano Anchinetti, Hilário Coimbra, Jairo Carneiro, João Coser, João Leão, João Mendes, João Pizzolatti, José Brilhante, José Coimbra, José Genoino, Junia Maria, Laura Carneiro, Leônidas Cristino, Luciano Castro, Luciano Zica, Luis Eduardo, Luiz Buaiz, Luiz Gushiken, Marçal Filho, Marcia C. Viana, Maria Valadão, Marcelo Deda, Mario Cavallazzi, Nelson Branco, Nelson Meuser, Nilton Temer, Odílio Balbonotti, Olávio Rocha, Oscar Goldoni, Padre Roque, Pauderney Avelino, Paulo Baner, Paulo Bernardo, Paulo Delgado, Paulo Titan, Pedro Wilson, Ricardo Heráclio, Ricardo Izar, Roberto Campos, Roberto Paulino, Robson Tuma, Romel Anísio, Salomão Cruz, Salvador Zimbaldi, Samuel Carvalho, Severino Cavalcanti, Silvio Lopes, Telma Souza, Vadão Gomes, Valdemar Guedes, Vilma Rocha, Werner Wander, Zulaie Cobra.

A maior parte dos deputados apóiam e trabalham para que sejam implantadas as leis do Kit-ab-i-aqdas no Brasil e também a economia divina de Baha’u’llah para a humanidade (AP.13:17). Abaixo apenas alguns depoimentos –só alguns, em apóio a causa mundial da Fé:

Tanto mais que, por ser dado ao vinho é desleal; homem soberbo que não permanecerá; que alarga como o inferno a sua alma; e é como a morte que não se farta, e ajunta a si todas as nações, e congrega a si todos os povos. (Habacuque 2 : 5)


O SR. LUIZ GUSHIKEN (PT-SP. Pronuncia o seguinte discurso) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Ilma. Sra. Ruhiyyih Rabbani, demais membros da comunidade Bahá’í, minhas senhoras e meus senhores, há quatro anos, exatamente no dia 28 de maio de 1992, esta Casa se enalteceu ao promover sessão solene de homenagem ao Centenário da Ascensão de Bahá’u’lláh, fundador da Fé Bahá’í.

Mas, é na difusão do princípio de unidade do gênero humano que as idéias defendidas pela Sra. Rabbani encontram plena expressão e atualidade. Decorre desse princípio a arquitetura do mais grandioso projeto político jamais imaginado pelo homem: uma instituição mundial, que com seus poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e Militar, organizada democraticamente a partir da vontade soberana das nações e capaz de promover a paz mundial e a justiça social.
Dessse princípio decorre também a criação de uma lealdade mais ampla entre os homens, capaz de superar os limites de nacionalidade, Religião, sexo, cor, etc.
Foi Bahá’u’lláh quem formulhou a idéia-síntese desse princípio ao afirmar que “A terra é um só país e os seres humanos seus cidadãos.”


A SRA. MARIA VALADÃO (Bloco PFL/GO, pronuncia o seguinte discurso) -

A Fé Bahá’í não apresenta dogmas, mas apenas o cerne de uma doutrina formulada por Bahá’u’lláh e aprofundada por seus herdeiros e sucessores, Abdu’l-Bahá, intérprete Autorizado da Fé, designado pelo próprio Profeta-Fundador, e Shoghi Effendi, Guardão da Fé. Mas, apenas numa comparação imperfeita, poderíamos até dizer que o dogma bahá’í é o da igualdade.

O SR. JOSÉ COIMBRA (Bloco/PTB-SP - pronuncia o seguinte discurso)-

Conhecia, sem dúvida, também as palavras d’Aquele que antecedera a Bahá’u’lláh - “ide e ensinai a todos os povos”-

Também no plano nacional, as Assembléias Espirituais vêm se preocupando em apresentar sugestões e normas que possam contribuir para o aperfeiçoamento do ser humano através da sua ação na comunidade. Não há agora como enumerar à exaustão as iniciativas da Assembléia Espiritual Bahá’í brasileira, mas não posso me furtar de mencionar pelo menos uma das mais recentes, que toca a nós parlamentares de maneira toda especial.

Trata-se do documento [1] “Subsídios Bahá’ís aos Novos Governantes e Legisladores do Brasil”, publicado no início do ano passado e dirigido àqueles que tnham, então, sido recentemente investidos de mandato neste Lesgislativo e nos Legislativos e Executivos estaduais e federal. O documento, uma verdadeira carta-aberta, abrange quatro áreas básicas que, segundo os ensinamentos de Bahá’u’lláh, são cruciais para o aperfeiçoamento humano: educação, com especial ênfase à população rural; promoção da mulher; liderança e moralidade. E como precisamos disso! - e prosperidade da humanidade.


O SR. MARCELO DEDA O meu testemunho refere-se à preocupação dos Bahá’ís em aperfeiçoar as instituições políticas do Brasil, trazendo contribuições, como, por exemplo, reuniões com representantes, com dirigentes políticos, suas experiências, reflexões e idéias da fé que professam.


O SR. FRANCO MONTORO - Congratulo-me com V. Exa. e com os promotores desta homenagem. Se a idéia de uma paz universal de um governo mundial é um sonho que na época, já no início do mundo moderno Kant (?) intitulou o seu livro “O mundo de a paz, de paz universal”, esse velho sonho tem hoje uma atulaidade extraordinária. Esta globalização caminha no aspecto econômico, no aspecto tecnológico e exatamente por isso é necessário que se dê a ela uma alma.

O SR. ALCIDES MODESTO (PT-BA Sem revisão do orador) - Convido a todos a ficarem de pé para que façamos a nossa oração neste plenário. Oração do Fundador da Fé, Bahá’u’lláh que assim se expressa:

“Ó meu Deus, ó meu Deus! Une os corações de teus servos e revela-lhes o teu grande plano.Que sigam teus mandamentos e permaneçam firmes em tua fé.Ó Deus, ajuda-os em seus esforços e concede-lheso poder de te servirem.Em verdade, tú és seu amparo e seu Senhor.” (Palmas)

Dessa forma a direita e a esquerda no Brasil manipulam a sociedade durante anos. O objetivo é esconder o nome do prometido (Baha’u’llah) da sociedade até o dia da revelação de seus Sinais. Afinal...se isso não for feito a nova ordem não teria êxito.


Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno. (I João 5 : 19)
Referências: