5 de set de 2008

Atingir ODM requer US$ 50 bilhões a mais

Sobre a meta do milênio 8:

“Os corações devem estar tão unidos, o amor deve se tornar tão predominante a ponto de os ricos espontaneamente oferecerem auxílio aos pobres e tomarem a iniciativa de estabelecer estes [1] ajustes econômicos permanentemente.” 23 DE JULHO DE 1912 Palestra de Abdu’l’bahá no Hotel Victoria Boston, Massachusetts.

Resumo: O relatório conclui que a ODA (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio) deve ser aumentada não apenas entre 50 e 60 bilhões em relação aos níveis atuais para atender os ODMs até 2015 mas, também, que é preciso uma quantia consideravelmente maior para atender as necessidades financeiras decorrentes dos investimentos produtivos exigidos, para garantir que a redução da pobreza possa ser sustentada além daquela data.



Genebra – 04/09/08 - Diversos países em desenvolvimento realizaram significativos progressos econômicos nos últimos anos mas, para se alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), que incluem reduzir à metade a extrema pobreza até 2015 - será necessário aumentar em ao menos 50 bilhões de dólares por ano a Ajuda Oficial ao Desenvolvimento (ODA, na sigla em inglês) para os países pobres, conclui o Relatório de Comércio e Desenvolvimento 2008 (TDR 2008) , publicado pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). Conhecido como TDR, o relatório também afirma que medidas para atenuar a dívida precisam ser somadas a outros tipos de ajuda.

Apesar do progresso recente, muitos dos países em desenvolvimento continuam a depender de influxos de capital estrangeiros, não apenas para alcançar os ODMs, mas para aumentar os investimentos domésticos, a fim de alcançar um crescimento mais rápido, financiar os gastos sociais e realizar mudanças estruturais antes de 2015. A Ajuda Oficial ao Desenvolvimento permanece crítica, especialmente para economias pobres e dependentes de commodities que, em geral, contam com empréstimos e auxílio de doadores bi e multilaterais.


De acordo com o Consenso de Monterrey de 2002, a maior parte dos doadores bilaterais definiu metas ambiciosas para aumentar a ODA e sua contribuição para uma parceria global destinada a alcançar os ODMs. No entanto, apesar de "um substancial aumento nas despesas, a maior parte dos doadores não está fazendo o que deveria para cumprir seus compromissos com a ODA. Além disso, há uma considerável distância entre os fluxos atuais de Ajuda Oficial e o que estima-se ser necessário para implementar medidas para alcançar os ODMs", observa o Secretário-Geral da UNCTAD, Supachai Panitchpakdi, na apresentação do TDR.


Os economistas da UNCTAD também acreditam que a efetividade da ajuda possa ser elevada com a participação de investimentos financeiros domésticos como, por exemplo, através da criação ou fortalecimento de instituições que iriam canalizar a ODA em projetos de investimento públicos e privados, financiados com instituições financeiras domésticas. Isso poderia facilitar o acesso de potenciais investidores domésticos a financiamentos de longo prazo, reduzindo os riscos de crédito para bancos domésticos. Essa abordagem poderia também fortalecer o sistema de intermediação financeira doméstica. Além disso, a UNCTAD acredita que a efetividade da ajuda poderia ser aumentada de forma geral com o direcionamento das quantias adicionais de ODA para os países mais pobres, com maior dificuldade para iniciar processos de auto-sustentabilidade, investimento e crescimento.

O relatório conclui que a ODA deve ser aumentada não apenas entre 50 e 60 bilhões em relação aos níveis atuais para atender os ODMs até 2015 mas, também, que é preciso uma quantia consideravelmente maior para atender as necessidades financeiras decorrentes dos investimentos produtivos exigidos, para garantir que a redução da pobreza possa ser sustentada além daquela data. Novos desafios de parceria global para o desenvolvimento também crescem com a necessidade de adaptação às mudanças climáticas e de diminuir seus impactos nos países mais pobres.

A notícia completa encontra-se em:
http://www.onu-brasil.org.br/view_news.php?id=6962


[1] - Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. (Apocalipse 13 : 17)