14 de ago de 2008

Pequim intensifica Repressão às Igrejas

Pequim intensifica Repressão às Igrejas
Domésticas durante os Jogos Olímpicos

Qin Yue e li Mingcai
Sound of Hope Radio
Sexta-feira, 8 de Agosto, 2008

O Presidente da Associação Chinesa das Igreja Domésticas, o chinês Zhang Mingxuan disse que Pequim tem intensificado a repressão às igrejas domésticas na véspera dos Jogos Olímpicos.Foram proibidos os encontros das igrejas domésticas em Pequim. A igreja e a residência de Zhang foram fechadas e ele não foi autorizado a retornar a Pequim. Muitas outras igrejas domésticas na China também foram dissolvidas e Cristãos foram presos e enviados para campos de trabalho.

Em 12 de maio a polícia de Pequim invadiu a Igreja de Shouwang. Em 25 de maio a polícia de Pequim invadiu pelo menos oito locais de Igrejas domésticas e prendeu Gao Zhen, um ministro cristão. Hua Hui, um membro da Igreja de Shouwang, disse que a polícia obrigou os membros da Igreja doméstica a assinarem um termo de responsabilidade de que eles não se reuniriam durante os Jogos Olímpicos.

Zhang disse: "Pouco antes das Olimpíadas, mais de 10 igrejas domésticas foram atacadas pela polícia. Eles invadiam durante nossas reuniões e detinham a todos. Todos tinham de ser registrados junto a eles. Um estudante universitário foi parado pela polícia no campus e informado de que não seriam permitidas reuniões. Eles ameaçaram todos os seguidores das Igreja domésticas forçando-os a garantir de que não se reuniriam durante as Olimpíadas. "

Zhang reuniu-se com dois legisladores dos EUA, Reps.Frank Wolf (R-Va.) e Christopher Smith (RN.J.) em 30 de junho. Antes disso, sua igreja, localizada em Dongbaxiang, Distrito de Chaoyang, Pequim, já estava proibida de realizar qualquer atividade. Ele também foi forçado a abandonar a sua residência na igreja.

Ele disse: "Minha esposa e eu tivemos que ficar em um hotel. Posteriormente, o hotel também tentou despejar-nos. Em 4 de junho a polícia fechou nossa igreja e nos proibiram de congregar. Eu disse-lhes que a nossa igreja é conhecida em todo o mundo. Eles disseram que sendo uma igreja doméstica, deveria ser fechada."

O sr. e sra. Zhang fixaram-se em um hotel em Changning. Em 14 de junho policiais da Estação Policial de Tongzhou forçaram o sr. e sra. Zhang a sair. Eles ameaçaram cortar o fornecimento de água e energia elétrica, bem como prender o dono do hotel caso os Zhangs não saíssem. Em qualquer lugar onde o casal foi, eles foram importunados pela polícia. Eles estão atualmente residindo em uma igreja em Qian'an, Província de Hebei.

Zhang foi interrogado pela polícia em 31 de julho, quando ele estava recebendo medicamentos para sua esposa, em Pequim. Ele foi convidado a mostrar o seu cartão de identificação na estação de trem assim que chegou, pouco antes que a polícia o expulsasse de Pequim. Zhang disse, "Eu cheguei na Estação de Trem de Shihui, em Pequim às 8:15. Assim que eu saí do trem , a polícia pediu-me para mostrar o meu ID. Eles verificaram meu ID junto aos seus registros e disseram que o ID não era válido. Eu disse-lhes que o ID é meu e funcionou quando eu peguei um vôo mais cedo. Levaram-me para a Estação Policial de Shihui ".

Zhang Mingxuan disse que, desde março, Cristãos tem sido detidos nas províncias da Mongólia Interior, Shandong, Henan, Heilongjiang e Xinjiang. As autoridades acusaram os membros das Igrejas domésticas de participação em atividades de culto e confiscaram suas bíblias. Em janeiro, mais de 80 cristãos foram detidos na Província de Shandong. Doze pessoas foram enviadas para campos de trabalho.O líder da Igreja, Zhongxi Zhang, foi condenado a dois anos em um campo de trabalho.

Em janeiro, a polícia prendeu seguidores durante um sermão Cristão em Hami, Província de Xinjiang. Eles também invadiram os lares dos seguidores e apreenderam bens no valor de mais de 100,000 yuan. Os seguidores foram multados em 80,000 yuan pela Comitê de Religião. Na Mongólia Interior, também em janeiro, a casa de um homem Cristão chamado Wang Dacai foi invadida e bens pessoais no valor de dezenas de milhares de yuans foram confiscados. Em 5 de julho mais quatro Cristãos foram detidos na Província de Jilin. Eles continuam sob detenção.