30 de mar de 2008

O perigo das 'profetadas' em nome de Deus


Depoimentos de crentes que arriscaram - e perderam - tudo por dar ouvidos a falsas
profecias. Pastores alertam contra o perigo de segui-las

DIANE DUQUE E CLÁUDIA SANTOS editorialjp@terra.com.br

Alerta geral! Você sabia que, mesmo nas histórias narradas pela Bíblia, no Antigo Testamento - quando Deus só falava pelos seus profetas ao povo - ou no Novo Testamento, podemos observar diversas contradições quanto a veracidade de algumas profecias?
Um dos vários exemplos de erro de interpretação encontrados nas Escrituras Sagradas está em 1 Reis 11.32, que mostra o quanto é perigoso seguir profecias sem cuidado ou
discernimento. Centenas de anos se passaram e o perigo que rodeia a comunidade do Senhor continua o mesmo. Sem o devido discernimento, falsas profecias - chamadas pelos
evangélicos de "profetadas", sobretudo por pentecostais, entre os quais a propagação das profecias é mais comum - ainda causam estragos. O caso de Leninha Gonçalves, de 31 anos, membro da Assembléia de Deus Missões Vida, em Colégio, subúrbio do Rio, é um exemplo do quanto é perigosa a ação daqueles homens e mulheres que dizem falar
em nome de Deus. A triste experiência vivenciada por Leninha aconteceu em 2001, quando ela estava no nono mês da gestação de seu primeiro filho.
- Fui a uma reunião de oração na Assembléia de Deus, na Vila da Penha, que é muito
conhecida como "rancho dos profetas". No meio do culto, um homem conhecido como
Danielzinho se levantou e me disse: "Dentro de três dias, seu filho nascerá perfeito e
saudável", contou Leninha ainda emocionada.
Três dias se passaram e Leninha realmente foi para o hospital para ganhar seu filho,
mas para sua surpresa, poucas horas depois do nascimento, a criança morreu. A
alegria e o conforto deram lugar a uma decepção sem precedentes.
- Saí do hospital com um travesseiro debaixo do braço e, depois disso, nunca mais
acreditei em profeta. Para mim agora, Deus fala apenas através da Bíblia, diz com
amargura.

Pastores avaliam práticas proféticas

O pastor Carlos Alberto de Quadros Bezerra, presidente nacional da Comunidade da
Graça, com sede em São Paulo, acredita que as profecias são ferramentas que o
Espírito Santo concede às igrejas para auxiliar o corpo de Cristo, mas admite que há
certos exageros e lamentáveis exercícios da carnalidade humana.
- Toda profecia deve ser julgada pelos líderes das igrejas, para que seja verificado se
ela exalta a Jesus ou se são meras tentativas de vaticínio sobre sorte e azar, definiu o
pastor.
Para o pastor da Assembléia de Deus de Taguatinga, DF, Ronaldo Fonseca, esta
espécie de profecia é característica do povo pentecostal. Muitas vezes, diz, elas não
tem nenhuma base sólida, começam com algumas meninices
envolvendo um certo sincretismo religioso.
- Buscando religiosidade, alguns desses "profetas" começam a criar
fantasias espirituais para agradar aos cristãos que vão à procura de
profecias, como se elas resolvessem os problemas de suas vidas,
condena Fonseca.
Ele alerta ainda que basta consultar a Bíblia para reconhecer a
genuinidade da profecia.
- Se a profecia vai contra os ensinamentos escritos na Bíblia,
certamente ela não é proveniente de Deus, ensina.
Ronaldo Fonseca já presenciou muitas dessas profecias, a que chama de "tentativas de
adivinhação". Ficou surpreso, no entanto, quando realizava um atendimento pastoral,
durante seu pastorado na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. Um casal que estava
prestes a se casar chegou com uma mulher que ele acreditava ser a mãe da noiva,
mas que a moça revelou ser sua profetisa particular.
- Senti que o rapaz estava constrangido e pedi que as duas nos deixassem a sós por
alguns minutos. Para minha surpresa, o rapaz me revelou que não queria casar, mas a
"personal profet" (termo usado por ele) de sua noiva havia dito que Deus iria colocá-lo
no leito de morte, caso não se casasse. Chamei as duas e aconselhei que o casamento
não fosse realizado.
A moça saiu aos gritos do gabinete dizendo que o pastor havia estragado a vida dela,
mas meses depois voltou, agradecida, e concordou com o pastor.
Já o veterano cantor Victorino Silva, 64 anos, com 25 discos e CDs gravados ao longo
de sua carreira, contou que até foi "beneficiado" pela profecia de um falso profeta.
Vitorino era ainda um adolescente quando namorava uma jovem chamada Maria, que
freqüentava a mesma igreja do cantor. Até que um amigo, tenente da Marinha
Mercante, que se dizia profeta teve a revelação que ela não era a pessoa que Deus
tinha escolhido para ele. Vitorino contou que não pensou duas vezes e terminou o
namoro. Meses mais tarde, o tenente que me entregou a "profetada" casou-se com a
menina.
- Deus verdadeiramente sabe o que faz, pois ela já faleceu e eu escapei de estar viúvo,
contou Vitorino dando muitas gargalhadas.
Rose Nascimento, cantora muito conhecida nas igrejas pentecostais, também já
passou por experiência com falsos profetas.
Constrangimentos
A cantora disse que estava na AD de Bento Ribeiro, subúrbio do Rio, onde foi
convidada a cantar, acompanhada de seu esposo João Ferreira Azeredo, quando uma
mulher se dizendo "vaso de bênção" veio na direção dos dois e começou entregar a
profecia, ou como dizia ela em "evangeliquês", o "manto": - "Homem, não te quero
naquele lugar sujo!", disse ela, deixando-me espantada, pois meu esposo só anda
comigo e se ele estava freqüentando um lugar sujo eu também estaria. Entendi que a
"profetada" insinuava uma traição. Mas fui sábia e ignorei. Sei de casos em que
pessoas sofreram muito com isso, conta Rose Nascimento.

Também passou constrangimento o pentecostal Jorge Ribeiro. Ele levou tudo "na
esportiva", mas conta que, na hora, ficou revoltado. Jorge visitava a AD em
Copacabana, Zona Sul do Rio, quando o aparelho de som da igreja apresentou
problemas. Ele tentava ajudar, quando um "vaso" se levantou.
- Cantor da casa do Pai, não tenho me agradado da sua conduta,
conserte o seu altar, se não, duro será para ti", disse o falso profeta,
dirigindo-se a mim. Mas eu o contrariei de púlpito, dizendo que eu não
era o cantor da noite e que aquele que iria cantar tinha acabado de
chegar ao templo e ainda estava lá atrás.
Para o pastor Raimundo João Santana, 79 anos, presidente da
Convenção dos Ministros do Rio Grande do Norte e pastor da
Assembléia de Deus naquele estado, as profecias precisam ter uma
atenção especial.
Segundo ele, que comanda 178 congregações, existe um espírito de fanatismo que
permeia o meio pentecostal: - "Esse modismo, diz ele, tem levado milhares de pessoas
a um descalabro espiritual que não tem nada a ver com a missão do Espírito Santo na
Igreja".
- Temos percebido que muitos membros da Igreja têm sofrido por causa desse
descalabro. Pois há pessoas que estão fazendo disso um meio de vida, dando ordem
ao Espírito Santo. A maioria desses falsos profetas sai mundo afora profetizando sem
ter vida no altar, querendo adivinhar a vida dos irmãos. Aqui no Norte, às vezes
aparecem esses ventos de doutrina e essas falsas teologias, mas estamos sempre
atentos para combater esses movimentos.
O pastor explica que orienta a liderança de sua igreja a não permitir que sejam
realizados cultos sem a presença de, pelo menos, dois pastores. Além disso, a diretoria
de sua igreja participa constantemente de estudos bíblicos específicos. Para Santana, é
através do conhecimento das Escrituras Sagradas que o crente aprende a discernir as
profecias.


www.ibcambui.org.br/artigos/art60.pdf