27 de mar de 2008

Fusões fincanceiras


Bovespa e BM&F confirmam acordo de fusão

“...uma Economia Divina, os quais são destinados a servir de modelo para a sociedade futura. Constituem um instrumento supremo para a inauguração da Paz Máxima e o único meio de unificar o mundo.” extraído do livro chamado às nações Shoghi Effendi, Guardião da Fé Bahá’í.


A nova economia “divina” (marca da besta) está sendo criada através de vários conflitos como: financeiros, sociais, ecológicos e espirituais. Essas fusões vão garantir que as bolsas e os bancos clamem por uma solução quando o mercado financeiro entrar em colapso. É para esse fim, a unificação financeira global, que o plano de sete etapas de mudança do comportamento (Os sete vales), usado pelo governo, está sendo aplicado em todas áreas de nossas vidas.Todos os conflitos serão supostamente resolvidos quando atingirmos a etapa 5 do plano (a retirada da Besta do Abismo).


A Bovespa Holding e a BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros) anunciaram no fim da noite desta terça-feira os termos do acordo para a fusão das suas atividades, o que cria a segunda maior Bolsa das Américas. Mais detalhes serão fornecidos nesta quarta-feira, em entrevista à imprensa.


Segundo comunicado enviado ao mercado, pelo acordo a companhia aberta formada pela integração das duas se chamará provisoriamente Nova Bolsa e terá ações negociadas no Novo Mercado --aquele reservado para empresas comprometidas com práticas diferenciadas de tratamento do acionista minoritário.
Os termos do negócio ainda devem ser levados à aprovação dos respectivos acionistas, em assembléias, e estão sujeitos à autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), bem como à do BC (Banco Central) e do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).
Na nota, a BM&F explicou que o modelo já foi aprovado pelos conselhos de administração de ambas. Após uma reorganização societária, serão emitidas ações da Nova Bolsa para os acionistas das duas empresas, na proporção de 50% para cada companhia. Além disso, os acionistas da Bovespa Holding receberão um adicional em dinheiro de R$ 1,24 bilhão.
Até dezembro deste ano funcionará um comitê de transição, composto pelos presidentes e diretores gerais das duas companhias, que dividirão o comando. A expectativa é que a integração dos negócios gere uma economia de até 25% nas despesas operacionais anuais até 2010.
A fusão cria a 10ª empresa em valor de mercado no país e a segunda maior Bolsa das Américas --a maior Bolsa ainda seria a Chicago Mercantile, nos Estados Unidos, segundo ranking preparado pela Economática.
A Bovespa Holding abriu seu capital, passando a ter ações negociadas em pregão, no dia 26 de outubro passado. Com a operação, a companhia levantou R$ 6,625 bilhões. A BM&F fez o mesmo em 30 de novembro e captou R$ 5,984 bilhões.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u385826.shtml