9 de jul de 2008

G8 encerra cúpula ampliada sem fixar metas para clima

As reuniões do G8 são um exemplo da ineficácia da consulta multilateral.

Os países do G8 encerraram sua reunião de cúpula ampliada sem conseguir resolver o impasse entre países ricos e emergentes sobre metas de redução de emissão de gases causadores do efeito estufa.
Os líderes reunidos no Japão disseram, entretanto, ter chegado a uma "visão comum" sobre a necessidade de ação para lidar com as mudanças climáticas.

"Nós, líderes das maiores economias do mundo, desenvolvidas e em desenvolvimento, nos comprometemos a combater a mudança climática com nossas responsabilidades comuns, mas diferenciadas e respectivas capacidades", diz o comunicado.

O encontro contou com a participação dos líderes do G8 e dos chefes de Estado do G5 - formado por Brasil, China, Índia, México e África do Sul - e da Austrália, Indonésia e Coréia do Sul.

Em um comunicado divulgado após o encontro, os líderes concordaram que a mudança climática "é um dos principais desafios de nosso tempo".

Na terça-feira, os líderes do G8 anunciaram um acordo para reduzir as emissões globais de carbono em 50% até 2050, em um esforço conjunto para combater o aquecimento global.

No entanto, esse objetivo foi rejeitado pela Índia e pela China no encontro ampliado da cúpula.

Para o correspondente da BBC Roger Harrabin, a China disse acreditar que as economias emergentes estariam sendo implicitamente requisitadas a tomar responsabilidade por um problema causado até agora principalmente pelos países ocidentais.

Seguindo uma linha parecida, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que os países desenvolvidos têm uma responsabilidade histórica pelo aquecimento global e devem assumir essa responsabilidade.

Segundo o premiê japonês, Yasuo Fukuda, os líderes do G8 demonstraram que estão levando a sério a questão do combate à mudança climática.

"É a primeira vez que os líderes das principais economias tiveram discussões vigorosas sobre várias questões que envolvem a mudança climática e acredito que demonstraram vontade política", afirmou.
http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2008/07/080709_g8emissoesemergentes_np.shtml